11 de dez de 2012

Contra o amor.

O início pode parecer um tropeço, já que ninguém são vai ser contra o amor, mas há os que, em lapsos de mornas temperaturas, opõem o amor e a paixão. E se o conflito é esse, o título é uma escolha de lados.

A paixão é sempre avassaladora, traz o nosso melhor, o nosso pior, e não deixa saber qual é qual. O amor é uma lareira quentinha que arde continuamente, estável, serena. E quem pode ser contra as lareiras quentinhas, senão os loucos? A paixão é como se toda a energia da lenha queimasse de uma vez, em um brilho que cega e tudo consome, como uma supernova. Depois, talvez só haja lenha em outras constelações, pode aparecer mais lenha, infinitamente, ou pode não sobrar nada jamais. Observe um apaixonado e você vai ver alguém que não está mais de posse das suas faculdades mentais, ou mesmo do mínimo de autocontrole.

Dizem que a paixão é tóxica, e ela é, mas e daí? Nós amamos as drogas. E somente a embriaguez da paixão é digna de arte. O amor, para ser arte, só se for difícil, como os do Calvino, não realizado, como os desprovidos de entrega, ou mesmo completamente impossíveis. Os amores possíveis começam a morrer no dia em que se concretizam, segundo um tal de Eça de Queiroz. Há controvérsias, só que, de fato, nada jamais chegará aos pés do amor que não acontece, este sim mais idealizado que a mais brutal das paixões.

As pessoas falam em histórias de amor e o assunto sempre esbarra em Romeu e Julieta. Até que eu li por aí: “Romeu e Julieta não é uma história de amor. É um romance relâmpago entre uma menina de 13 anos e um carinha de 17, que dura três dias e termina com seis mortos”. É a paixão que torna a história saborosa, assim como a vida. História de amor, amor mesmo, são os primeiros cinco minutos de “UP – Altas aventuras”. É lindo de chorar, mas é isso, cinco minutos de filme. O resto são cachorros falantes no fim do mundo, e nostalgia.

Alguém disse que viu mais amizades que paixões se transformarem em amor. Será? O universo da amizade é muito maior, por ser plural, e existem mais amizades que paixões. Mesmo assim, senão uma fração daquelas se transforma em amor. As que se arriscam, em geral, sofrem de unilateralidade e exílio na “zona da amizade” mesmo.

Esperar que o amor venha da amizade, sem uma paixão devastadora junto, é uma das coisas mais mornas e acomodadas que já ouvi falar. É como uma apólice de seguros. É o amor servido como uma dobrada fria. Você ir fazendo um “filtro de compatibilidade” do seu círculo de amigos, que já são pessoas por quem você tem apreço, até que isso se torne, suavemente, uma opção amorosa, equivale a tratos do tipo “se eu e você chegarmos solteiros aos 40, a gente casa um com o outro, tá?”

Apaixonar-se é dar murro em ponta de faca mesmo. A paixão não cega as pessoas para os defeitos dos outros. Como poderia? O que ela faz é aumentar a nossa capacidade de relevar, de não dar a mínima, de nem ligar que ela tenha essas esquisitices, e não de achar que defeitos não existem e, então, se desapontar quando caem as máscaras, ou quando passa o afã.

Pela sua força explosiva, a paixão é efêmera mesmo. Ninguém consegue se manter nesse estado, nessa intensidade por décadas, anos, ou seriam dias? Difícil achar uma medida de tempo, mas nem o amor consegue essa longevidade toda. Um amor que nasça de uma paixão, de uma conexão profunda formada no coração em chamas de uma estrela, é mais bonito e vivo que um amor sereno, gradativo e limpo.

Texto tirado do blog: Depois dos Quinze, todas as palavras foram de lá ^^

PS.: oi, meus pequenos, desculpem pelo texto, ele veio meio que de repente, né? Mas é que eu precisava de algo para tirar esse vazio de mim, ou seja, preencher, né, KKK' Mas tá.. O que eu queria dizer mesmo é que dia 13, desse mês(dezembro), eu farei uma excursãozinha ao zoológico de São Paulo, para um trabalhinho da escola, e provavelmente ficarei ausente o dia inteiro, pois é das 8:00 da manhã até as 18:00 da tarde.. Já dia 14 até o dia 17, mais ou menos, eu vou viajar para o Rio de Janeiro! Então, ficarei ausente por uns 5 dias, ou mais ou menos.. Mas volto logo, ;) Beijos, :*

8 comentários:

Roberta-chan ♥ disse...

Normalmente eu tenho muita preguiça de ler textos, mas eu adorei esse *O* O amor é uma droga que se cheira e vicia -Q KKKK' Apesar de eu nunca ter me apaixonado de verdade, só de ler eu consigo sentir *O* Adorei *U* Você escreve muito bem ^^
E eu amei mesmo este blog! Adorei o estilo meio "vintage" ficou uma graça *u* Já estou seguindo!

Bjs ^_^

Esteffani Fontes disse...

que lindo texto..
faz parceria? *-*



VAGAS PARA AFILIADOS/PARCEIRIA ABERTAS!
fb group: AB - Amizade na Blogsfera.
@esteffanifontes, segue? Beijos,
Aos Dezesseis Anos - aosdezesseisanos.blogspot.com.br
Seja bem vinda do meu blog.

Juuh Feer SZ disse...

UAHUAHS, às vezes me dá uma preguicinha também *0* Que bom que gostou, flor <33 Nunca se apaixonou? Lol, claro, temos que encontrar a pessoa certa, e isso demora um pouco mesmo ^^ Escrevo? Poxa, obrigada, mas esse texto não é de minha autoria, é da Bruna Vieira do blog Depois dos Quinze, mas obrigada do mesmo jeito, amor >.< Awwn, muito obrigada mesmo pelos elogios, princess, eu também xonei pelo seu blog, aquele estilinho kawaii mais lindo *0* Beijoos, :*

Obrigada, flor ^^ Aceito sim, já comentei lá no seu blog com todos os dados, espero que aceite meu bloguinho simples, KKKK' Beijoos, :* E já estou te seguindo, oks?

Esteffani Fontes disse...

post sobre afiliação e parceria atualizado.

será preciso seguir blog, chance extra: twitter.
beijos.

Juuh Feer SZ disse...

Ok, flor ^^ Já estou te seguindo, o problema é que eu não tenho mais twitter, quer dizer, eu tenho, mas esqueci todos --' Beijoos, :*

Karola S. disse...

Cara,eu me identifiquei muito com essa parte:"Esperar que o amor venha da amizade, sem uma paixão devastadora junto, é uma das coisas mais mornas e acomodadas que já ouvi falar".Meu sinceros parabens e sucesso,pois com este belo texto se você quiser tentar escrever algo e publicar,venderá e fará sucesso!

Seguindo,retribui?
cherrygo.blogspot.com

Juuh Feer SZ disse...

Lol, sério? Que bom, flor, que fiz alguém se identificar ^^ Fico muito feliz <33 Ah, obrigada, muito obrigada mesmo, mas não fui eu quem o escreveu.. Foi a Bruna do Depois dos Quinze ^^ Claro que sigo, amor >.< Beijoos, :*

Ingrid disse...

Adorei o texto, muito bonito! Faça uma boa viagem!